Presidência da CNBB encerra 61ª AG reforçando a união em torno do evangelho e da vida

A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) protagonizou a coletiva de imprensa de encerramento da 61ª Assembleia Geral da CNBB, realizada em Aparecida (SP) de 10 a 19 de abril de 2024, com a participação de 442 bispos.

Dom Jaime Spengler
O arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente da CNBB, dom Jaime Spengler, que iniciou sua fala agradecendo o trabalho dos jornalistas, recordou a natureza da CNBB, “uma instância de comunhão entre os bispos do Brasil”. Segundo ele, uma comunhão experimentada nos 10 dias “de encontro, de oração, de estudo, de debate, de construção de indicações viáveis para a evangelização no nosso Brasil’, um empenho da Conferência dos Bispos e da Assembleia Geral.

Dom Jaime destacou a diversidade do Brasil o que faz com que encontrar pontos de consenso seja um desafio. O presidente da CNBB disse que vê cada Assembleia Geral como “um Pentecostes, é uma experiência única, pessoas, homens, de realidades tão distintas”. O presidente da CNBB relatou os passos dados ao longo da Assembleia, ressaltando o tema geral: a elaboração das Diretrizes Gerais para a Ação Evangelizadora.

Dom Ricardo Hoepers
Recordando que “a Assembleia é o órgão supremo da Conferência”, o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da CNBB, dom Ricardo Hoepers, falou sobre o esforço realizado para preparar uma assembleia com recorde de participação. Ele agradeceu o trabalho realizado em equipe pelos colaboradores da Secretaria Geral, com uma participação efetiva e afetiva dos bispos.

Dom Justino de Medeiros Silva
Definindo a Assembleia como “um aprendizado de escuta”, onde os bispos partilham “muito da nossa vida, da nossa missão, do nosso pastoreio, dos desafios que a Igreja vive neste tempo”, o arcebispo de Goiânia (GO) e primeiro vice-presidente da CNBB, dom Justino de Medeiros Silva, afirmou que “trazemos preocupações e esperanças”, insistindo em que “escutamos uns aos outros”, criando um tecido de tantas escutas que “fortalece cada um de nós no sentido da missão”. Ele disse ver o retorno às dioceses como algo “marcado por um ânimo, um revigoramento dessa experiência de servir à Igreja no Brasil”.

Dom Paulo Jackson Nóbrega de Souza
Segundo o arcebispo de Olinda-Recife (PE) e segundo vice-presidente da CNBB, dom Paulo Jackson Nóbrega de Souza, há um movimento das nossas dioceses para a Assembleia Geral. “Aqui trazemos nossos anseios, os grandes desafios vividos, a força pujante da Igreja, as nossas comunidades eclesiais, a beleza da Igreja católica”.

Ele destacou que os bispos saem da Assembleia, após tudo que é realizado e vivido, como um grande rio caudaloso para a vida concreta e para as nossas dioceses”, que ele definiu como “dois movimentos que caracterizam a força e a vitalidade da Assembleia Geral da Conferência episcopal brasileira”.

Uma Assembleia Geral que desafia à Igreja do Brasil a entender que “diferenças sim, mas sempre unidos pela causa do Evangelho e da vida, da vida plena para todos”, segundo frisou no final de sua intervenção o presidente da CNBB.

Veja abaixo a íntegra da última coletiva:

fonte: CNBB

 

 

Agenda Diocesana

Nenhum evento encontrado!