Solenidade da Santa Mãe de Deus Maria

“Que Deus nos dê a sua graça e a sua benção” (66/67) 

 

Celebramos nesta Segunda-feira, dia 1º de janeiro do ano da graça de 2024, a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus e o dia mundial da paz. Peçamos a intercessão de Nossa Senhora pela paz mundial, que todos os povos se unam num único objetivo que é promover a paz. Celebrar o dia da Mãe de Deus no primeiro dia do ano é uma oportunidade de pedirmos a Nossa Senhora que do céu interceda por todos nós aqui na terra, e que as nações se preocupem mais em dar uma qualidade de vida melhor para os seus habitantes, ao invés de promover guerras e violência.  

Ao longo desse ano de 2024 que todas as nações se unam para promover políticas públicas para que todos os habitantes possam ter dignidade, respeito e condições de vida digna. Que cada governante possa pensar em como pode controlar o avanço do aquecimento global para que dessa forma o planeta possa ser salvo. 

A solenidade de Santa Maria Mãe de Deus sempre ocorre no dia 1º de janeiro, e é celebrada independente do dia da semana que ocorre. Esse ano, o dia 1º de janeiro ocorre numa Segunda-Feira, no Domingo seguinte, dia 7 de janeiro, celebraremos a solenidade da Epifania do Senhor e na Segunda-Feira dia 8 encerraremos o tempo do Natal com a festa do Batismo do Senhor.  

Santa Maria Mãe de Deus é um dogma, ou seja, uma verdade de fé, que a Igreja após muito estudo propõe aos fiéis para que creiam. O dogma de Santa Maria Mãe de Deus é o mais antigo, foi proclamado em 431 durante o Concílio de Éfeso, pois se Maria é a mãe de Jesus, e Ele é o filho de Deus, logo, Ela é a Mãe de Deus. O termo Mãe de Deus vem do grego (Theotókos), afirmando que Jesus Cristo possui as duas naturezas, Ele é plenamente humano e divino. Os outros dogmas marianos são: Virgindade Perpétua, Imaculada Conceição e Assunção de Nossa Senhora. Portanto, peçamos a intercessão de Nossa Senhora por nós e por nossa família.  

Meus irmãos, façamos um esforço para participarmos da Santa Missa da Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus nessa Segunda-Feira, dia 1º de janeiro. Apesar de ser Segunda-Feira é um dia de preceito, ou seja, dia em que nós católicos devemos participar da Santa Missa. Nessa Segunda-Feira também acontece a tradicional benção do Papa diretamente de Roma para o mundo. Essa benção é conhecida Benção “Urbi et Orbi”. Que a benção que o Papa Francisco dará de Roma chegue aos nossos corações e ao coração de todos os habitantes desse mundo.  

A primeira leitura da missa dessa Segunda-Feira é do livro dos Números (Nm 6, 22-27), o Senhor fala a Moisés, para que ele possa dizer a Aarão e aos seus filhos, como eles devem abençoar os seus filhos e parentes. A benção que vem de Deus nos dá forças para seguirmos em frente e enfrentarmos as lutas diárias. Hoje em dia perdeu-se o costume de pedir a benção aos pais, avós e madrinhas. Esse é um costume que vem desde o Antigo Testamento e não devemos deixar com que essa tradição se perca. Ao dizer Deus te abençoe ao próximo, estamos desejando coisas boas a ele e que tudo o que ele fizer naquele dia, Deus o abençoará. Ensinemos novamente as gerações que estão surgindo a importância de pedir a benção e manter viva a nossa tradição. Que a benção do Senhor nos acompanhe ao longo desse ano e possamos ter muita paz.  

O salmo responsorial é o 66 (67), o refrão do salmo é a resposta daquilo que ouvimos na primeira leitura e o salmista pede que o Senhor nos dê a sua graça e a sua benção. Que todos os homens possam conhecer os caminhos do Senhor e descobrir que somente a paz pode construir um mundo melhor. Que Deus nos dê a graça de estarmos em paz com Ele, com o nosso próximo e com os nossos irmãos de comunidade.  

A segunda leitura dessa Missa é da carta de São Paulo aos Gálatas (Gl 4, 4-7), Paulo diz a comunidade de Gálatas que no momento oportuno Deus enviou o seu filho ao mundo, nascido de uma mulher e sujeito a lei humana. Ele assumiu a condição humana para ensinar a humanidade o caminho do amor e da fraternidade. Ensinou a importância de construirmos aqui na terra o Reino de Deus para vivê-lo de maneira plena no céu. Ele é o herdeiro e nós somos os co-herdeiros da graça.  

O Evangelho da missa dessa Solenidade é de Lucas (Lc 2, 16-21), esse trecho do Evangelho que ouvimos hoje retrata quando os pastores foram a Belém encontrar-se com Maria e José, com o intuito de adorar o Menino Deus. Eles contaram tudo aquilo que ouviram a respeito do Menino e todos ficaram admirados, Maria, porém, guardava e conservava tudo em seu coração. 

Os pastores voltaram louvando e glorificando a Deus por tudo o que viram e ouviram, conforme o anjo lhes havia dito. O Menino que havia nascido veio para ser o rei de Israel e ensinar a humanidade que somente o amor pode construir um mundo mais justo e fraterno. O Messias nasceu pobre e humilde, para confundir os ricos e ensinar a eles que a riqueza não salva, mas o amor e a solidariedade.  

José e Maria, ao completar-se o tempo previsto levaram o Menino para circuncidar-se e deram-lhe o nome de Jesus, como havia sido predito pelo anjo. Nessa celebração rendamos graças a Deus, por ter enviado o seu Filho Jesus e permitido que Ele nascesse de um ventre materno.  

Nesse dia, peçamos à Virgem Maria que nos proteja e nos guarde e que possamos guardar e conservar tudo em nosso coração e fazer sempre a vontade de Deus.  

Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós. 

 

 Cardeal Orani João Tempesta – Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ) 

Fonte: CNBB

Agenda Diocesana

Nenhum evento encontrado!